Tumores palpebrais

As pálpebras podem apresentar vários tipos de lesões tumorais benignas e malignas. Os tumores das pálpebras podem ser diagnosticados precocemente, através de um exame oftalmológico detalhado, melhorando muito as chances de cura com tratamento muitas vezes simple. As causas são inúmeras, más o fator genético e a radiação solar são os principais fatores de risco. Além disso, fatores alimentares e s. fumo também contribuem para aumentar o risco de desenvolver os tumores de pálpebras.

O tratamento das lesões malignas requerem do oftalmologista especialista em oculoplástica, ou plástica ocular, conhecimento das várias técnicas utilizadas em reconstrução palpebral.

Tumores Benignos da pálpebra

São de crescimento lento, não apresentam ulcerações e sangramentos. Os mais comuns são: hemangioma capilar, cistos, papilomas, molusco contagioso, ceratoacantoma, xantelasma, etc. O papiloma escamoso ( figura: papiloma  ) é o tumor benigno mais comum da pálpebra. O tratamento inclui observação, tratamento clínico e na maioria das vezes simples ressecção cirúrgica.

Papiloma em borda palpebral inferior

Papiloma em borda palpebral inferior

Tumores Malignos da pálpebra

Normalmente são de crescimento rápido, acometem pessoas mais idosas, apresentam ulcerações, vasos e deformidades locais, como perda de cílios.

Os mais frequentes são: carcinoma basocelular, carcinoma espinocelular, carcinoma das glândulas de meibômius, melanoma, sarcoma de kaposi, etc.

O carcinoma basocelular ( figura: carcinoma basocelular ) é o tumor maligno palpebral mais comum e o diagnóstico definitivo é confirmado apenas com exame anatomopatológico(biopsia).

Carcinoma Basocelular na pálpebra inferior

Carcinoma Basocelular na pálpebra inferior

O tratamento depende  basicamente do tipo, tamanho e localização do tumor. Pode ser ressecção e sutura simples ou reconstruções palpebrais com retalhos e enxertos. Sempre que possível a congelação ou técnica de Mohs deve ser feita.

Carcinoma Basocelular

O carcinoma basocelular é o tumor palpebral maligno mais comum e corresponde a 90% de todas as lesões malignas palpebrais. Esse tumor afeta preferencialmente indivíduos de pele clara, com antecedentes de exposição ao sol e na faixa etária dos 50-80 anos.

Quanto ao local de acometimento, a pálpebra inferior é a mais afetada (52%), seguida pelo canto medial (27%), pálpebra superior (15%) e canto lateral (6%).

O carcinoma basocelular apresenta-se com lesões tipicamente elevadas, firmes, com vasos sanguíneos pequenos na superfície e quando acometem a borda palpebral ocorre perda de cílios. Esse tumor é localmente invasivo e não metastatiza, porém quando não tratado de maneira correta, pode invadir o globo ocular e a órbita, necessitando de cirurgia mais radical, a exenteração da órbita.

O tratamento deve ser sempre cirúrgico, removendo-se com a margem de segurança. Somente o exame anatomopatológico pode mostrar se a lesão foi totalmente removida.

É recomendável realizar o congelamento da peça no intra-operatório e só inicia-se  a reconstrução se as margens cirúrgicas estiverem “livres”.

 

Todas as informações fornecidas neste website têm caráter meramente informativo, com o objetivo de complementar, e não substituir, as orientações do seu(sua) médico(a).

Dr. Renato Garcia   CRM-SP 109092

Médico Oftalmologista – Tumores das pálpebras ( Oculoplástica – Plástica Ocular )