Dr. Renato Garcia

Entrevista Dr. Renato Garcia

crianças no oftalmologista

Crianças no oftalmologista

criança no oftalmologista

Quando levar nossos filhos ao oftalmologista?

O primeiro exame oftalmológico deve ser realizado antes do primeiro ano de vida.

Avaliação oftalmológica na infância

Avaliação oftalmológica na infância

 

Sabe-se que os primeiros anos de vida são os mais importantes no desenvolvimento da visão. Nesta fase, o sistema nervoso central deve receber a melhor informação visual possível para que os neurônios relacionados à visão sejam desenvolvidos. Caso contrário, ocorre a ambliopia, que significa o não desenvolvimento da visão parcial ou total pelo resto da vida.

Já na maternidade é realizado obrigatoriamente o Teste do Olhinho, por um pediatra treinado. Trata-se do primeiro exame oftalmológico da infância. Um reflexo vermelho homogêneo, simétrico e regular deve ser visto em ambos os olhos. Se houver dificuldade em detectar o reflexo vermelho, a criança deve ser examinada pelo oftalmologista com exames mais específicos, para verificar precocemente eventuais doenças oculares, como catarata, glaucoma, opacidade da córnea, hemorragias no vítreo, e tumores intra-oculares, entre outros.

A Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica recomenda que o acompanhamento oftalmológico das crianças deve ser semestral até os 2 anos de idade e, a partir daí, anual até os 10 anos, quando temos uma completa sedimentação da via neural relacionada ao sistema ocular.

Teste do Olhinho

Teste do Olhinho

As principais doenças oftalmológicas que acometem crianças são as ametropias ( hipermetropia, miopia e astigmatismo ), o estrabismo e a ambliopia.

Os exames realizados numa criança que ainda não sabe explicar verbalmente o que sente ou vê são baseados em testes objetivos, avaliando a presença ou não de patologias e da necessidade ou não de óculos (por miopia, hipermetropia e/ou astigmatismo), dentre outros tratamentos, como uso de tampão.

 

Uso de óculos em crianças

Criança usando óculos

 

Criança usando óculos e tampão

Criança usando óculos e tampão

 

A partir dos 3 anos de idade a criança já passa a conseguir dar algumas informações, o que torna o exame ainda mais preciso.

Existem alterações que os pais podem observar precocemente na visão dos filhos que merecem cuidado imediato:

Avaliação oftalmológica na infância

Sinais de alerta na avaliação oftalmológica das crianças

•Caso note que a criança não acompanha os movimentos dos objetos e da luz ao seu redor ainda na fase não verbal, é preciso consultar um oftalmologista imediatamente.

•Caso, ao fazer uma foto da criança, a pupila (parte preta do olho) apareça branca, pode significar que há opacidade dos meios transparentes.

•Nas primeiras semanas de vida, é normal a criança parecer estrábica (vesga) pois não tem coordenação motora ocular para manter os olhos alinhados. A partir dos 6 meses, se os olhos da criança ainda parecem desalinhados é preciso consultar o oftalmologista. Estrabismo, se não tratado a tempo e corretamente pode se transformar numa perda permanente. O oftalmologista pode indicar o uso de tampão, óculos e, em alguns casos, cirurgia.

•Coceira ou ficar muito perto da TV, podem ser sinais de necessidade de óculos para a criança.

•Por fim, a baixa visão em uma criança pode se traduzir, muitas vezes, na dificuldade de aprendizado e de atenção. É fundamental, portanto, nestes casos, a verificação da saúde ocular anteriormente à investigação psicológica e cognitiva.

 

 

 

 

 

Todas as informações fornecidas neste website têm caráter meramente informativo, com o objetivo de complementar, e não substituir, as orientações do seu(sua) médico(a).

Dr. Renato Garcia   CRM-SP 109092

Médico Oftalmologista 

Rua Teixeira da Silva, 34 Cj. 83 – Paraíso –  São Paulo -SP
Telefone: (11) 3083-5249/4371-5259

Cirurgia de Catarata

Catarata

Antigamente, era necessário esperar a catarata ficar “madura”, ou seja, avançada, para a realização da cirurgia. Hoje em dia, com as modernas técnicas e aparelhos, a recomendação é que a cirurgia seja indicada nas fases iniciais da catarata, pois o procedimento torna-se  mais  fácil e seguro. Além disso, o tempo de recuperação é menor quando a cirurgia da catarata é realizada nos estágios iniciais. Portanto, o recomendável é que a cirurgia de catarata seja realizada logo que os primeiros sintomas apareçam.

 

Dúvidas em cirurgia de catarata:

O que é catarata?

Catarata é a opacificação do cristalino, uma estrutura normalmente transparente que se parece com uma lente e que se localiza dentro do olho.

Catarata

Catarata

Quais são os sintomas da catarata?

Quando o cristalino fica opaco (catarata), a imagem não se forma adequadamente na retina e a visão fica borrada, como se houvesse uma névoa atrapalhando a visualização das imagens. Em seu grau máximo a catarata leva à cegueira, que é totalmente reversível após a cirurgia.

Catarata

Catarata

Qual idade mais frequente para ter catarata?

A catarata mais comum é a senil, que aparece por volta dos 60 anos, mas nada impede de um paciente mais jovem ter a doença. A catarata também pode ocorrer em recém-nascidos, pessoas diabéticas, pessoas tratadas com certos medicamentos como a cortisona, traumas oculares e outras situações.

 

Como é feita a cirurgia (retirada) da catarata?

A catarata é fragmentada em minúsculos pedaços através de um instrumento introduzido no olho semelhante a uma caneta com uma ponta bem fina e delicada. Essa ponta emite ondas de ultrassom e faz, simultaneamente, a emulsificação e a retirada, por meio de sucção dos fragmentos da catarata. Após a retirada de toda a catarata, é implantada uma lente intra-ocular, que pode ser dobrável (flexível) ou não dobrável (rígida). Nesta técnica, é realizada uma pequena incisão de aproximadamente 2,20mm, não sendo necessária sutura ao seu término, porque cicatriza rapidamente devido sua incisão auto-selante. O tempo da cirurgia varia de 15 a 30 minutos.

 

Catarata

Cirurgia de catarata

 

A cirurgia de catarata é feita com laser?

Recentemente surgiu no mercado oftalmológico um laser capaz de realizar alguns passos da cirurgia de catarata, mas ainda é necessário o uso do facoemulsificador para retirada da catarata. Essa tecnologia necessita de mais estudos e aprimoramento para tornar-se segura e eficaz a todos os pacientes com catarata.

 

É necessário implantar uma lente na cirurgia de catarata?

Sim. As lentes intra-oculares (LIO) são implantadas com o objetivo de substituir o cristalino humano que estava opaco em decorrência da catarata. As lentes atuais permitem a correção de outros problemas oculares além da catarata, como a miopia, a hipermetropia, o astigmatismo e mais recentemente a presbiopia ou vista cansada,  promovendo a independência definitiva dos óculos para a maioria dos pacientes.

Catarata

Implante da Lente Intra-ocular

 

Como é feita a anestesia em uma cirurgia de catarata?

A anestesia é tópica, ou seja, com colírios e anestésicos intraoculares. Associado ao anestésico local realizamos sedação para reduzir o grau de ansiedade e permitir maior conforto ao paciente durante a cirurgia. Um grande número de pacientes submetidos à sedação chegam  a dormir durante a cirurgia de catarata. Após a cirurgia o paciente recebe alta em aproximadamente 2 horas.

 

É preciso dar pontos na cirurgia de catarata?

A cirurgia de catarata é realizada através de uma pequena incisão de aproximadamente 2,20 mm, não sendo necessária sutura ao seu término, porque cicatriza rapidamente devido sua incisão auto-selante. No entanto, caso o oftalmologista especialista nesta cirurgia ache necessário dar um ponto na incisão, o mesmo poderá ser removido em poucos dias.

 

Como é a recuperação após a cirurgia de catarata?

O pós-operatório da cirurgia de catarata é muito tranquilo e indolor. Após o realização da cirurgia de catarata pelo especialista, o paciente recupera-se rapidamente do efeito dos sedativos e recebe alimentação leve para logo deixar o hospital e ir para casa. O paciente recebe alta com um tampão acrílico transparente para proteção e orientação de uso de um colírio que contem antibiótico e anti-inflamatório. Após a cirurgia de catarata, a visão apresenta melhora rápida e em poucos dias atinge sua normalidade. Recomenda-se também, não pegar peso e a não entrar em piscinas e mar por aproximadamente 30 dias.

 

É possível corrigir o grau dos óculos com a cirurgia de catarata?

Sim.  As lentes intra-oculares (LIO) são implantadas com o objetivo de substituir o cristalino humano que estava opaco em decorrência da catarata. As lentes atuais permitem a correção de outros problemas oculares além da catarata, como a miopia, a hipermetropia, o astigmatismo e mais recentemente a presbiopia ou vista cansada,  promovendo a independência definitiva dos óculos para a maioria dos pacientes.

 

A lente-intraocular pode ser rejeitada pelo olho?

As lentes intraoculares, implantadas após a retirada da catarata, já são feitas para não haver rejeição. Não há necessidade de troca ao longo da vida, por isso a importância de colocar uma lente de boa qualidade. Caso seja necessário por algum motivo realizar uma troca de lente intraocular, é necessário que se faça outra cirurgia.

 

Todas as informações fornecidas neste website têm caráter meramente informativo, com o objetivo de complementar, e não substituir, as orientações do seu(sua) médico(a).

Dr. Renato Garcia   CRM-SP 109092

Médico Oftalmologista  –  Catarata

Rua Teixeira da Silva, 34 Cj. 83 – Paraíso –  São Paulo -SP
Telefone: (11) 3083-5249/4371-5259

Dúvidas em cirurgia de catarata

Catarata

Antigamente, era necessário esperar a catarata ficar “madura”, ou seja, avançada, para a realização da cirurgia. Hoje em dia, com as modernas técnicas e aparelhos, a recomendação é que a cirurgia seja indicada nas fases iniciais da catarata, pois o procedimento torna-se  mais  fácil e seguro. Além disso, o tempo de recuperação é menor quando a cirurgia da catarata é realizada nos estágios iniciais. Portanto, o recomendável é que a cirurgia de catarata seja realizada logo que os primeiros sintomas apareçam.

 

Dúvidas em cirurgia de catarata:

O que é catarata?

Catarata é a opacificação do cristalino, uma estrutura normalmente transparente que se parece com uma lente e que se localiza dentro do olho.

Catarata

Catarata

Quais são os sintomas da catarata?

Quando o cristalino fica opaco (catarata), a imagem não se forma adequadamente na retina e a visão fica borrada, como se houvesse uma névoa atrapalhando a visualização das imagens. Em seu grau máximo a catarata leva à cegueira, que é totalmente reversível após a cirurgia.

Catarata

Catarata

Qual idade mais frequente para ter catarata?

A catarata mais comum é a senil, que aparece por volta dos 60 anos, mas nada impede de um paciente mais jovem ter a doença. A catarata também pode ocorrer em recém-nascidos, pessoas diabéticas, pessoas tratadas com certos medicamentos como a cortisona, traumas oculares e outras situações.

 

Como é feita a cirurgia (retirada) da catarata?

A catarata é fragmentada em minúsculos pedaços através de um instrumento introduzido no olho semelhante a uma caneta com uma ponta bem fina e delicada. Essa ponta emite ondas de ultrassom e faz, simultaneamente, a emulsificação e a retirada, por meio de sucção dos fragmentos da catarata. Após a retirada de toda a catarata, é implantada uma lente intra-ocular, que pode ser dobrável (flexível) ou não dobrável (rígida). Nesta técnica, é realizada uma pequena incisão de aproximadamente 2,20mm, não sendo necessária sutura ao seu término, porque cicatriza rapidamente devido sua incisão auto-selante. O tempo da cirurgia varia de 15 a 30 minutos.

 

Catarata

Cirurgia de catarata

 

A cirurgia de catarata é feita com laser?

Recentemente surgiu no mercado oftalmológico um laser capaz de realizar alguns passos da cirurgia de catarata, mas ainda é necessário o uso do facoemulsificador para retirada da catarata. Essa tecnologia necessita de mais estudos e aprimoramento para tornar-se segura e eficaz a todos os pacientes com catarata.

 

É necessário implantar uma lente na cirurgia de catarata?

Sim. As lentes intra-oculares (LIO) são implantadas com o objetivo de substituir o cristalino humano que estava opaco em decorrência da catarata. As lentes atuais permitem a correção de outros problemas oculares além da catarata, como a miopia, a hipermetropia, o astigmatismo e mais recentemente a presbiopia ou vista cansada,  promovendo a independência definitiva dos óculos para a maioria dos pacientes.

Catarata

Implante da Lente Intra-ocular

 

Como é feita a anestesia em uma cirurgia de catarata?

A anestesia é tópica, ou seja, com colírios e anestésicos intraoculares. Associado ao anestésico local realizamos sedação para reduzir o grau de ansiedade e permitir maior conforto ao paciente durante a cirurgia. Um grande número de pacientes submetidos à sedação chegam  a dormir durante a cirurgia de catarata. Após a cirurgia o paciente recebe alta em aproximadamente 2 horas.

 

É preciso dar pontos na cirurgia de catarata?

A cirurgia de catarata é realizada através de uma pequena incisão de aproximadamente 2,20 mm, não sendo necessária sutura ao seu término, porque cicatriza rapidamente devido sua incisão auto-selante. No entanto, caso o oftalmologista especialista nesta cirurgia ache necessário dar um ponto na incisão, o mesmo poderá ser removido em poucos dias.

 

Como é a recuperação após a cirurgia de catarata?

O pós-operatório da cirurgia de catarata é muito tranquilo e indolor. Após o realização da cirurgia de catarata pelo especialista, o paciente recupera-se rapidamente do efeito dos sedativos e recebe alimentação leve para logo deixar o hospital e ir para casa. O paciente recebe alta com um tampão acrílico transparente para proteção e orientação de uso de um colírio que contem antibiótico e anti-inflamatório. Após a cirurgia de catarata, a visão apresenta melhora rápida e em poucos dias atinge sua normalidade. Recomenda-se também, não pegar peso e a não entrar em piscinas e mar por aproximadamente 30 dias.

 

É possível corrigir o grau dos óculos com a cirurgia de catarata?

Sim.  As lentes intra-oculares (LIO) são implantadas com o objetivo de substituir o cristalino humano que estava opaco em decorrência da catarata. As lentes atuais permitem a correção de outros problemas oculares além da catarata, como a miopia, a hipermetropia, o astigmatismo e mais recentemente a presbiopia ou vista cansada,  promovendo a independência definitiva dos óculos para a maioria dos pacientes.

 

A lente-intraocular pode ser rejeitada pelo olho?

As lentes intraoculares, implantadas após a retirada da catarata, já são feitas para não haver rejeição. Não há necessidade de troca ao longo da vida, por isso a importância de colocar uma lente de boa qualidade. Caso seja necessário por algum motivo realizar uma troca de lente intraocular, é necessário que se faça outra cirurgia.

 

Todas as informações fornecidas neste website têm caráter meramente informativo, com o objetivo de complementar, e não substituir, as orientações do seu(sua) médico(a).

Dr. Renato Garcia   CRM-SP 109092

Médico Oftalmologista  –  Catarata

Rua Teixeira da Silva, 34 Cj. 83 – Paraíso –  São Paulo -SP
Telefone: (11) 3083-5249/4371-5259

Criança no oftalmologista

Avaliação oftalmológica na infância

Muitas crianças só são levadas ao oftalmologista após apresentarem dificuldade de enxergar a lousa em sala de aula na fase escolar. No entanto, o primeiro exame oftalmológico deve ser realizado antes do primeiro ano de vida.

Avaliação oftalmológica na infância

Avaliação oftalmológica na infância

 

Sabe-se que os primeiros anos de vida são os mais importantes no desenvolvimento da visão. Nesta fase, o sistema nervoso central deve receber a melhor informação visual possível para que os neurônios relacionados à visão sejam desenvolvidos. Caso contrário, ocorre a ambliopia, que significa o não desenvolvimento da visão parcial ou total pelo resto da vida.

 

Já na maternidade é realizado obrigatoriamente o Teste do Olhinho, por um pediatra treinado. Trata-se do primeiro exame oftalmológico da infância. Um reflexo vermelho homogêneo, simétrico e regular deve ser visto em ambos os olhos. Se houver dificuldade em detectar o reflexo vermelho, a criança deve ser examinada pelo oftalmologista com exames mais específicos, para verificar precocemente eventuais doenças oculares, como catarata, glaucoma, opacidade da córnea, hemorragias no vítreo, e tumores intra-oculares, entre outros.

 

A Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica recomenda que o acompanhamento oftalmológico das crianças deve ser semestral até os 2 anos de idade e, a partir daí, anual até os 10 anos, quando temos uma completa sedimentação da via neural relacionada ao sistema ocular.

Teste do Olhinho

Teste do Olhinho

As principais doenças oftalmológicas que acometem crianças são as ametropias ( hipermetropia, miopia e astigmatismo ), o estrabismo e a ambliopia.

Os exames realizados numa criança que ainda não sabe explicar verbalmente o que sente ou vê são baseados em testes objetivos, avaliando a presença ou não de patologias e da necessidade ou não de óculos (por miopia, hipermetropia e/ou astigmatismo), dentre outros tratamentos, como uso de tampão.

 

Uso de óculos em crianças

Criança usando óculos

 

Criança usando óculos e tampão

Criança usando óculos e tampão

 

A partir dos 3 anos de idade a criança já passa a conseguir dar algumas informações, o que torna o exame ainda mais preciso.

Existem alterações que os pais podem observar precocemente na visão dos filhos que merecem cuidado imediato:

Avaliação oftalmológica na infância

Sinais de alerta na avaliação oftalmológica das crianças

•Caso note que a criança não acompanha os movimentos dos objetos e da luz ao seu redor ainda na fase não verbal, é preciso consultar um oftalmologista imediatamente.

•Caso, ao fazer uma foto da criança, a pupila (parte preta do olho) apareça branca, pode significar que há opacidade dos meios transparentes.

•Nas primeiras semanas de vida, é normal a criança parecer estrábica (vesga) pois não tem coordenação motora ocular para manter os olhos alinhados. A partir dos 6 meses, se os olhos da criança ainda parecem desalinhados é preciso consultar o oftalmologista. Estrabismo, se não tratado a tempo e corretamente pode se transformar numa perda permanente. O oftalmologista pode indicar o uso de tampão, óculos e, em alguns casos, cirurgia.

•Coceira ou ficar muito perto da TV, podem ser sinais de necessidade de óculos para a criança.

•Por fim, a baixa visão em uma criança pode se traduzir, muitas vezes, na dificuldade de aprendizado e de atenção. É fundamental, portanto, nestes casos, a verificação da saúde ocular anteriormente à investigação psicológica e cognitiva.

 

 

Todas as informações fornecidas neste website têm caráter meramente informativo, com o objetivo de complementar, e não substituir, as orientações do seu(sua) médico(a).

 Dr. Renato Garcia   CRM-SP 109092

Médico Oftalmologista – Avaliação Oftalmológica na Infância

Lentes de contato esclerais

Lente de Contato Escleral

As lentes esclerais são lentes de contato maiores que se apóiam principalmente na esclera, o que as diferenciam das lentes de contato usuais que tem seu principal apoio na periferia da córnea.

Lente de contato escleral

Lente de apoio na córnea à esquerda e lente de apoio na esclera à direita

Lente de Contato Escleral

Lente Escleral

Lente de Contato Escleral

Lente Escleral

As lentes esclerais foram desenvolvidas para pessoas portadoras de córneas irregulares, degeneração marginal pelúcida, ceratoplastias penetrantes, pós LASIK e RK e, principalmente, ceratocone. Devem ser usadas como uma alternativa para aqueles que tem dificuldade em adaptar as lentes rígidas gás permeáveis (RGPs) corneanas e que não tem bom resultado com lentes gelatinosas especiais para ceratocone.

O espaço entre a córnea e a lente escleral é preenchido pelo “filme lacrimal”, propiciando uma adaptação muito mais confortável, mesmo em pacientes que possuem muita sensibilidade. A lente escleral é uma lente de contato rígida gás permeável, com alto índice de permeabilidade ao oxigênio, o que permite uso por 12 horas contínuas.

Lente de Contato Escleral

Lente Escleral

Quando há uma boa adaptação do paciente à lente escleral, automaticamente se afasta a necessidade do transplante de córnea.

Todas as informações fornecidas neste website têm caráter meramente informativo, com o objetivo de complementar, e não substituir, as orientações do seu(sua) médico(a).

 Dr. Renato Garcia   CRM-SP 109092

Médico Oftalmologista – Lentes Esclerais

Moscas Volantes

moscas volantes

A percepção de pequenas manchas ou nuvens movimentando-se dentro do campo de visão constituem as chamadas “moscas volantes”. Geralmente são vistas quando se olha para um fundo claro, como uma parede branca. As moscas volantes são minúsculos grumos de proteínas ou células dentro do corpo vítreo, o fluido gelatinoso, que preenche o interior do olho.

Moscas Volantes

Moscas Volantes

O que se vê são as sombras projetadas sobre a retina, a camada do fundo de olho que percebe a luz e envia o estímulo luminoso até o cérebro.

Moscas Volantes

Moscas Volantes

As moscas volantes podem aparecer e desaparecer e, em geral, as pessoas aprendem a conviver e ignorá-las, pois, não interferem na visão. Estes pontos flutuantes podem ainda estar presentes em apenas um olho ou ambos os olhos.

As moscas volantes podem ter diversas formas:

  • Pontos pretos ou cinzentos
  • Linhas irregulares
  • Fios
  • Teias de aranha

Vídeo do interior do olho visualizando as moscas volantes

Uma causa comum de moscas volantes é o descolamento do vítreo posterior, o qual pode ocorrer como um processo degenerativo relacionado ao envelhecimento,  cirurgias e inflamações oculares prévias.

Normalmenteas moscas volantes não são perigosas. No entanto, quando uma pessoa desenvolve o súbito aparecimento de moscas volantes associadas a clarões (flashs de luz) pode significar um rasgo na retina que requer tratamento para prevenir o descolamento de retina. Portanto, no surgimento de moscas volantes olho deve ser examinado por um oftalmologista.

O diagnostico das moscas volantes é realizado através do mapeamento de retina e, se necessário, complementado por meio da ultrassonografia ocular.

Em geral, as moscas volantes não necessitam de tratamento. Algumas delas podem permanecer no campo de visão, porém muitas diminuem ou desaparecem com o tempo, deixando de incomodar. Nos casos de opacidades densas, causando grande desconforto ou comprometimento da visão, a remoção das opacidades vítreas por meio de procedimento cirúrgico pode ser considerada.

Todas as informações fornecidas neste website têm caráter meramente informativo, com o objetivo de complementar, e não substituir, as orientações do seu(sua) médico(a).

Dr. Renato Garcia   CRM-SP 109092

Médico Oftalmologista

Plástica Ocular

Oculoplástica

Você conhece a subespecialidade oftalmológica chamada plástica ocular?

A Plástica Ocular, também conhecida como oculoplástica, é uma subespecialidade da oftalmologia  que cuida da região peri-ocular e frontal da face. Trata de problemas relacionados às pálpebras, vias lacrimais e órbita.

Oculoplástica

Plástica Ocular

Subdivide-se em dois segmentos:

  • Plástica Restauradora: 

Especializada na correção do mau posicionamento das pálpebras e dos cílios, reconstituição cirúrgica de pálpebras traumatizadas, desobstrução das vias lacrimais, tratamento e remoção de tumores palpebrais e ptose palpebral( pálpebra caída ).

  • Plástica Estética:

Dedicada a retirada do excesso de pele e bolsas de gordura nas pálpebras superiores e inferiores, alem da correção de ptoses leves. A cirurgia estética das pálpebras tem como objetivo valorizar e rejuvenescer o olhar. A blefaropastia (retirada do excesso de pele da pálpebra) é a cirurgia plástica mais  comum da face.

Mais informações

Todas as informações fornecidas neste website têm caráter meramente informativo, com o objetivo de complementar, e não substituir, as orientações do seu(sua) médico(a).

Dr. Renato Garcia   CRM-SP 109092

Médico Oftalmologista  –  Oculoplástica

Tratamento do ceratocone

cornea

tratamento do ceratocone ganhou grande destaque nos últimos anos. Novas lentes de contato com materiais e curvaturas mais sofisticados permitiram atingir maior qualidade de visão. O desenvolvimento de novos modelos de anéis intra-estromais também permitiram ampliar as indicações de seu uso, beneficiando grande número de pacientes com ceratocone.

Tratamentos do Ceratocone

Fig 1: Tratamentos do Ceratocone

Destacam-se como tratamentos ao ceratocone (fig 1):

– Estabilidade: crosslinking

– Visão: óculos, lentes de contato ( gelatinosas, rígidas de córnea e rígidas escalareis), implante de anel estromal e transplante de córnea ( lamelares e penetrantes )

O importante é que a busca da estabilidade e da melhor visão no paciente com ceratocone deve ocorrer simultaneamente, como ilustra a figura abaixo (fig 2).

Tratamento do ceratocone

Fig 2: Tratamento do Ceratocone

Todas as informações fornecidas neste website têm caráter meramente informativo, com o objetivo de complementar, e não substituir, as orientações do seu(sua) médico(a).

Dr. Renato Garcia   CRM-SP 109092

Médico Oftalmologista  –  Tratamento do Ceratocone

Cuide de seus olhos

Oftalmologista

Vá ao oftalmologista uma vez ao ano para exames preventivos

Visão do futuro

Visão do futuro

Oftalmologista Sulamerica

Oftalmologista